To keep

29/09/2011

No Egito, a cruz de ansata representava a vida

Keeping walking

Faz tempo que não passo por aqui. Como faz. Tempo de sossego? Pelo contrário. Nunca na vida passei por dias tão desassossegados. Mas, não sei, toda vez que isso acontece não consigo escrever.

Neste tempo, muitas coisas aconteceram e outras tantas não. O saldo final é bem positivo, apesar dos pesares. Penso que, até agora, o período tenha sido o de maior aprendizado em minha vida. Descobri que tenho fé, atributo que pedia para Deus desde pequena. Uma fé da qual eu me orgulho muito.

Keep in with

Ainda me assusto com algumas reações agressivas e intolerantes que tenho.  No início da minha jornada, achava normal e inerente a minha personalidade. Depois, passei a reprimir vieses da agressividade e da intolerância achando que, negando, resolveria os meus problemas de aceitação.

Bobagem, como sempre. Hoje, estou tentando, mais do que nunca, identificar os acontecimentos que me fazem ter reações extremas. Concluí que são válidas as razões que me tiram do eixo:

– Preconceito

– Injustiça

– Falta de educação (nas relações, no elevador, no ônibus e no metrô, principalmente)

– Cabelo oleoso no metrô

Keep in touch

“Porque de gente fina, elegante e sincera eu gosto”

Acho o máximo redescobrir livros, locais, músicas, gostos e, principalmente, pessoas. Sinto-me mais viva ainda e certa de algumas escolhas.

Sabe aquela felicidade simples que invade o coração? Simples mesmo, como conseguir finalizar bem um texto, achar o tempero certo para a carne ou se esforçar com as pessoas corretas. Simples, ok, mas complicadas.

Nos últimos tempos, fiquei muito feliz por (re)descobrir as multifacetadas faces de algumas pessoas e não tenho palavras para expressar a minha gratidão para alguma delas, como a Edna, a Lu (você mesma, Meja), a minha prima Mariana, as Chiaras, o Rodrigo. Como diria Nando Reis, “é bom olhar para trás e admirar aquilo que soubemos fazer”.

Anúncios

Clarice, Clarice

22/11/2010

“Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite”

Ahhhh, Clarice, como eu gosto de você!

Receita de um dia delícia

22/11/2010

– Trilha sonora

– Noite com direito à café da manhã

-Pilha de jornais e revistas

– Trilha sonora

– Cinema

– Casa e livrinho novo

Simples assim.

Le fabuleux destin d´Juliana

19/11/2010

Depois de muitos dias cansativos por conta de coisas chatas e, às vezes, também por ótimas razões, dei-me um presente. Madruguei e não voltei para o escritório (pelo menos no horário). Permiti-me parar ali no parque pertinho da agência para ficar comigo por um tempo. O dia nem estava tão bonito, mas eu estava radiante. No Ipod, La valse d´Amélie, da trilha de Le fabuleux destin d’Amélie Poulain, em repeat.

Dei-me conta que, aos poucos, o meu anão tem feito pequenas e grandes viagens. E, a cada volta, encontra uma Juliana diferente. Melhor. Ele tem conhecido muitas sensações novas e deixado velhos hábitos para trás. Percebi que ele voltou a ter orgulho de mim. Emocionei-me bastante.

Estou chegando

12/09/2010

Mais colorido

Há dias tenho pensado em você. Neste fim de semana, no entanto, o pensamento se tornou cada vez mais forte e tive certeza de que já está perto e a minha espera. Algo mudou: antes queria apenas uma companhia e, agora, o meu querer amadureceu e os meus desejos são mais profundos.

Confesso que estou com medo, para variar. Medo de passar por você e não te perceber. Medo de, na ânsia de querer agradar, deixar transparecer todas as minhas neuroses e o quão chata eu sou. O que vai achar de eu gostar da Rihanna, Beyonce, Black Eyed Peas? Ou da minha coleção de bolas de cristal? Ou de meu comportamento infantil perto da minha família? De perceber que eu adoro ser a primeira a ler o jornal, porque não gosto de dobrinhas no papel. Isso sem falar na minha coleção de travesseiros ou os meus rituais antes de dormir. Os meus pijamas de flanela, as minhas calcinhas de algodão…

Confesso, já fiz vários planos de ação. Para cada personalidade, imaginei uma linha de raciocínio: respostas inteligentes, respostas ácidas e irônicas, brincadeiras descompromissadas. Só espero não errar na mão. Sonho com você me tirando o fôlego. Mudando o meu eixo. Destruindo, como num castelo de cartas, as minhas certezas. Envolvendo-me em seu charme até me deixar completamente hipnotizada e ardendo de amor. Morrendo de rir e sem me importar com absolutamente mais nada: trabalho, papéis sociais, regras, beleza.

Quero te apresentar toda a minha família, a minha história. Mostrar as minhas fotos de criança e provar que nasci loirinha. Contar o quão engraçada é a Iara, a minha sobrinha mais tímida. Falar do André que, quando pequeno, era muito chato, mas está se tornando um homem de bem. Da Nathália e do Stênio, que já nasceram lindos. Me gabar mais uma vez porque a Gabi já está no último ano de odonto. E, claro, mostrar como a Ivana é mesmo muito especial.

Vou te levar também até a escola em que minha mãe trabalhou por muitos anos e local em que fui alfabetizada. Mostrar o local exato do meu tombo de bicicleta que machucou muito o meu joelho e, por isso, tenho aquela marca escura nele. Falar dos lugares em que eu fazia picnic com o Beto, a Cássia e a Fer. Revelar os lugares secretos da cidade em que namorava quando eu era adolescente. E te dizer que não é preciso ter nem um pouco de ciúmes do passado porque, desde aquela época, eu já procurava por você.

E quando você decidir não ir para o interior comigo, quero que, a cada despedida, eu não sinta dor, mas uma imensa ansiedade para que o dia de nos vermos novamente chegue logo. E, quando isso acontecer, termos mais cor em nossos corações e sermos ainda mais felizes.

Por isso tudo

31/08/2010

Eu nunca quis te magoar. Acredite. Nunca tive esta intenção, nem no começo. Não tenho controle sobre o meu coração, sobre a minha vida e, infelizmente, isso aconteceu. Eu não queria te magoar.

Entenda, não fiz por mal. Apenas segui o que julgo correto para a minha vida. Discordo quando diz que o importante é ter alguém gostando de você, independentemente do sentir do outro. Eu quero compartilhar uma emoção única. É piegas, interiorano, eu sei, mas busco sim um ideal romântico. Um ideal romântico do século XXI, mas um ideal romântico.

Quero sentir o meu coração palpitando. Quero ficar ansiosa para chegar logo o horário de ir embora do trabalho para confidenciar problemas do trabalho, desejos sacanas, planos para o futuro. Mesmo que esse tal futuro nem chegue por minha própria culpa.

Quero ver TV agarrada e ganhar um cafuné quando eu reclamar dar minha dor no pé. Ouvir que as minhas dores nas costas vão passar, porque eu não preciso mais carregar o mundo sozinha nelas. Quero sair de São Paulo no fim de semana ouvindo “Vamos fugir”, do Gil. Aprender a gostar de cantores que hoje não suporto. Ver filmes que, neste momento, parecem-me chatos. Entrar em uma loja que nunca entraria, só porque achei algo na vitrine que pudesse gostar.

Sentir um amor tão forte que me faça rever todas as minhas certezas cartesianas. Me reinventar e me tornar uma mulher melhor. Uma mulher completa.

Eu não tinha isso tudo com você. Eu nunca tive isso com ninguém. Pode parecer duro da minha parte dizer tudo isso. Logo com você, que sempre foi um doce comigo. Mas tenho de ser honesta, sobretudo com você, que eu admiro tanto.

Não é fácil para mim também. É gostoso ser cuidada, cativada, amada. É difícil renunciar a tudo isso. É preciso coragem, pois a gente se acostume com o que é bom em apenas uma noite.

Faço isso por nós. Precisamos estar livres no momento certo para agarrarmos quem nos fará feliz de forma completa.Esse momento chegará para você muito rapidamente. Tenho certeza. E para mim também. Tenho certeza.

Nos vemos.

Seu nome

28/08/2010

O Fabrício é um cara que eu conheço desde criança. Nunca fui muito amiga, mas sempre gostei dele. Lembro-me uma vez (a única) que estive na casa dele e falamos horas sobre Machado de Assis. Eu não era a única inadequada de Santo Anastácio.

Hoje li o último livro dele, Esquimó, e fiquei enlouquecida com Seu nome. Morri de inveja da mulher para quem ele escreveu o poema.

Estou cansada

28/08/2010

Estou cansada de gente chata, egocêntrica e óbvia. Estou cansada do preconceito. Estou cansada das ilusões da humanidade. Estou cansada das minhas ilusões. Estou cansada do pseudo-intelectualismo. Inclusive o meu. Estou cansada por ter achado o fio da meada e não conseguir mais parar de puxar. Isso cansa. Muito. Estou cansada de ter de ser simpática, quando não quero. Queria voltar aos primórdios, mas não posso. Estou cansada da minha indisciplina. Estou cansada da minha insegurança. Acho muito chato a discussão sobre a candidatura do Tiririca, o K, o L e o B. Acho muito chato o Chris McCandless e os públicos-alvo. A relevância, a percepção e o diálogo da marca. Estou cansada do trabalho. As minhas costas doem. Os meus ombros sentem um pesar que não deveria ser meu. Não consigo dormir. Basta.

Quero ser incoerente. Quero ver a Simone, tenho saudades. Quero que a minha prima Mariana seja muito feliz. Quero que o Fabrício Corsaletti escreva um outro livro logo. Quero um computador novo. Quero voltar a cultivar a minha criança interior. Quero poder dizer sem castração alguma que quero trepar. Sim, assim seco como o ar que eu respiro agora. Quero continuar a me apaixonar por mim mesma e nunca mais me esquecer quem eu realmente sou. Estou cansada. Vou dormir.

Bem-vindo, Joaquinho

08/06/2010

Querido Joaquinho,

Seja muito bem-indo à vida, meu amor! Que Deus e todas as ordens dos mais elevados anjos lhe abençoe por toda a sua vida.

Sabe, você ainda não tem consciência, mas no futuro saberá que é um cara de muita sorte, pois chegou com uma mãe e um pai muito bacanas. Ok, ok, daqui alguns uns anos você dirá que são um pouco doidos – e eu terei de concordar! – mas, tenho certeza, terá muito orgulho deles.

Mas agora o papo é entre a gente. Não é porque você tem apenas algumas horas de vida que eu lhe enganarei. A vida aqui, às vezes, é bem complicada, mas vale muito a pena, principalmente se levada com honestidade, esforço e fidelidade aos nossos próprios pensamentos. Parece fácil, mas não é não.

Apesar disso, tenho certeza de que tirará de letra. Olha, pode parecer loucura, mas já imagino você daqui uns 20 anos. Penso que terá a estatura e o jeito do seu pai, mas o rosto e o gênio da sua mãe. É…, meu caro, você será bem genioso. E quer saber mais? A sua mãe fará cara de brava, tentará te convencer de que ela está certa, opinará e você só seguirá o seu coração. Amém. E ela morrerá de orgulho por dentro. Por fora. Pelos lados. Em cima. Em baixo. Será um homem íntegro. Será um homem que o medo não o paralisará. Será um homem que terá muitas felicidades.

Eu, pode ter certeza, estarei sempre pertinho de você. Mesmo que em pensamento (essa ideia da sua mãe querer morar no MS é fogo!). Com o tempo vou te contar muitas histórias engraçados sobre a sua mãe, como um carnaval que tivemos em Bonito, em 1998, ou quando ela foi miss Objetivo, em Prudente, em 1994. Tempo, meu menino. Muito tempo atrás.

Também vou te ensinar um monte de gírias engraçadas dos anos 90 e da primeira década de 2000. E alguns palavrões também. Mas isso tem de ficar entre nós, caso contrário a sua mãe ficará torrando a nossa paciência. Ok?

Vou ter muito orgulho em conhecer você, meu amor.

Te amo muito.

Um grande beijo e, mais uma vez, seja muito bem-vindo.

São Paulo, 7 de junho de 2010.

 Ass: Tia Ju

Feliz ano novo

04/01/2010

Rio de Janeiro, janeiro de 2010

A passagem de ano foi especial, sem dúvida. Em poucos dias, vi relações antigas se desfazerem, relações novas se fortalecerem. Vi também pessoas queridas perdidas, outras tentando se encontrar. Encontrei pessoas com muita esperança. Vi o sol brilhar com muita intensidade e iluminando os meus pensamentos. Vi, deitada em uma rede na varanda, a lua cheia coroar uma madrugada linda em que fiz as pazes comigo mesma.

Para a minha coleção de personalidades, cataloguei mais alguns exemplares: o carioca simpático que traduz a sua paixão por sua cidade natal por meio de tatuagens dos pontos turísticos; a fisioterapeuta que parece não ter aprendido usar pontos e vírgulas e que, a cada dez palavras, cita a mãe; e o designer mais fofo e simpático que conheci em minha vida.

Deixei para trás toda a minha inflexibilidade presente nos meus 32 anos de vida. Esforcei-me o máximo que pude. Com isso, creio, dei o braço a torcer e vi que alguns prés-conceitos que tinham eram, na realidade, preconceitos bobos. É possível que tenha feito novos amigos.

Resolvi sair da passividade e também ser agente. No momento da passagem, saudei o meu deus interno por meio de um mantra que li em um livro bobo, mas que foi significativo. A sensação foi incrível. Nos dias posteriores, achei algumas respostas que pedi.

Estou com esperanças. Estou medo, mas feliz.

Tchururu é o seu **

03/11/2009

Eu nunca gostei do Dinho Ouro Preto.

Carta

08/10/2009
Leda e Juca - setembro de 78

Leda e Juca - setembro de 78

Começo essa carta dizendo o óbvio, quantas saudades. Sentimento que já passou por diversos graus, diversas cores, diversos gostos. No começo, ela era almodoviana, muito vermelha, alaranjada. Eu sangrava. Depois, ficou branca e preta. Hoje, ela é rosinha, como na foto, como o meu coração. É como um texto muito bem digerido, emocionante e que me faz pensar em mim e seguir em frente íntegra, porque é assim que tem de ser.

 É engraçado. Já não penso em você todos os dias, mas penso sempre nos momentos marcantes dessa minha vida. Sem querer ser muito brega, você está tão longe e, ao mesmo tempo, sinto-a ao me lado.

 Muita coisa mudou nestes 12 anos, oito meses e oito dias que não nos vemos.Foi grande a minha transformação. Sofri para conseguir vencer as minhas grandes batalhas que, na maioria das vezes, foi travada comigo mesma. Você teria o mesmo orgulho que eu descobri ter por mim mesma. Creio.

 Passei por inúmeros sabores e alguns dissabores também. Muitas paixões e desilusões. Tomei muitas decisões erradas e outras tantas acertadas. Talvez você ficasse assustada com algumas coisas, mas o meu coração diz que entenderia e me apoiaria. Foi a decisão certa, confie.

 Segui em frente me regenerando, mantendo a integridade e vivendo as minhas emoções e relações com intensidade. Acho que devo isso a você. Lembro-me perfeitamente o quanto me estimulava em sonhar, em planejar, em querer mais. Levo em mim essa herança. É claro que nem sempre as coisas saem da maneira que desejo, mas isso eu aprendi que é parte do jogo e, tendo clareza, podem nos revelar boas surpresas.

 Hoje você faria 50 anos. Aff, velhinha, ein? Embora sem você, já comi um bolo POR você. Já falei com a mãe (o pai estava na casa do Duca vendo futebol) e fiz o que julgo melhor pelas meninas.

 Outro dia conheci uma música antiga do Gonzaguinha que a mais completa tradução no meu atual momento. Segue o link do YouTube (http://www.youtube.com/watch?v=Q4H5x8ScDLs&feature=PlayList&p=C2274B50C02FEF90&playnext=1&playnext_from=PL&index=4) para você ver. Eu apenas queria que você soubesse que eu dedico a você, que sempre cuidou e se preocupou comigo.

 Eu apenas queria que você soubesse

Que aquela alegria ainda está comigo

E que a minha ternura não ficou na estrada

Não ficou no tempo presa na poeira

 Eu apenas queria que você soubesse

Que esta menina hoje é uma mulher

E que esta mulher é uma menina

Que colheu seu fruto flor do seu carinho

Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta

Que hoje eu me gosto muito mais

Porque me entendo muito mais também

E que a atitude de recomeçar é todo dia toda hora

É se respeitar na sua força e fé

E se olhar bem fundo até o dedão do pé

Eu apenas queira que você soubesse

Que essa criança brinca nesta roda

E não teme o corte de novas feridas

Pois tem a saúde que aprendeu com a vida

 

Nos vemos qualquer dia.

Te amo.

 Um beijo,

Juca

À revelia

06/10/2009

Creio que as mudanças são boas sim, mas quando isso acontece – às vezes, pelo menos – quando somos os próprios agentes da mudança. Não quando isso acontece à revelia.

Mesmo assim, devo salientar, que acredito que sempre acontece o melhor para a gente.

Leminsk

06/10/2009
El bigodon

El bigodon

eu ontem tive a impressão

que deus quis falar comigo

não lhe dei ouvidos

 

quem sou eu para falar com deus?

ele que cuide dos seus assuntos

eu cuido dos meus

 

Há tempos não achava um autor que me impressionasse tanto como Leminsk. Ainda mais no campo da poesia que, confesso, não tenho o menor saco para outro além do Fernando, o Pessoa. Os textos são de uma simplicidade impressionante, apaixonante e comovente. E o bigode? Ahhh, o bigode…

Mastercard

23/09/2009

 

Paris, abril de 2009

Paris, abril de 2009

– Passagem aérea – R$ 3 mil

– Par de tênis – R$ 250

– Descer o Arco do Triunfo com o zíper da calça aberto – Não tem preço

23/09/2009

O Mar seguiu o seu rumo. Foram tempos de muitas tormentas, calmarias, aventuras e reflexões. Ficou datado, o layout não mudou, os textos não mudaram, mas eu passei por uma intensa transformação. A saída mais digna foi deixar aquelas águas seguirem o curso delas e caminhar por outros rumos.

 Já não quero ser a desassossegada marginal, a escritora  maldita. Quero muito sucesso, muita audiência e muito dinheiro. Portanto, faço como os meus amigos do cagonesandones e uso as ferramentas do São Google para me ajudar. Criei palavras-chave para potencializar o blog em mecanismos de busca. Vamos lá:

 – Sarney

 – “Sexo anal”, “dói”

 –  Twilight

 – Beyoncé

 –  “Pênis pequeno”

 – Dor de cotovelo

 – Traição

 – “Pai rico, Pai pobre”

 – networking

 – Dinheiro

 – Twitter

 – “Casa própria”

 – Gay

 – “Como perder 10kg em 7 dias”

– “Zé Mayer”

 Vamos ver no que dá!